Vintage na sua decoração

>> quinta-feira, 30 de julho de 2009

O significado da palavra vintage vem de vint, relativo à safra de uvas e age, de idade.
Hmmm... não é exatamente sobre o que nós estamos interessadas. Pelo menos não nesse contexto, nesse exato momento...rs.

O vintage em moda e decoração é algo retrógrado, antigo, uma recuperação dos estilos dos anos 20 à 60. Alguma coisa com um estilo que perdurou através do tempo, transformando-se num clássico.

Estamos todos acostumados ao vintage nas roupas. Sabemos que não é difícil de ser encontrado em brechós, em peças de qualidade, muitas vezes de estilistas renomados, com preços muito acessíveis. Uma ótima dica é revirar o armário das nossas avós! Como elas se vestiam bem... (Em que momento as mulheres começaram a usar calças de cintura tão baixa que criam flancos enormes e deformam o corpo, ou tops tão pequenos que fazem os seios “pularem” em cima da mesa do restaurante?)

O mesmo acontece com os objetos de decoração de interiores e mobiliário. Porém, nesse caso, o preço já pode aumentar bastante, principalmente nas lojas de antiguidade, como nas da Rua do Lavradio, por exemplo. Na verdade não era assim até poucos anos atrás, mas desde que a Lapa começou a ser “revitalizada” e aqueles bares incríveis começaram a invadir as construções antigas da região quase caindo aos pedaços, o lugar virou point para os turista. Aí, já viu...

Um mobiliário ou uma peça de decoração antiga num ambiente moderno, adicionam um sentido de grandeza ao ambiente, remetem ao tempo em que as cadeiras eram desenhadas à mão, altamente robustas e ornamentadas, construidas para durar. Hoje em dia essas peças tornaram-se foco de beleza e nunca perdem o estilo.
É tempo de ser vintage. Trazer de volta as formas abstratas e padrões geométricos, e associá-los às cores arrojadas em paredes, tecidos, móveis, etc. Algumas boas opções para caprichar no look de casa e alcançar o olhar vintage, é inserir na sua decoração peças de designers como Charles e Ray Eames, Eero Saarinen, George Nelson, Arne Jacobsen (com cuidado), e de nacionais (ou quase) como Joaquim Tenreiro, Sérgio Rodrigues e Zanine Caldas.
Alguns ainda lançam mão de peças clássicas de Harry Bertóia e Mies van der Rohe. Mas, na minha modesta opinião, seu uso já foi tão saturado nos últimos anos, que acho que se você quiser imprimir um estilo sendo mais original, deveria optar por peças mais esquecidas. Aquelas da vovó mesmo, que não são muito frequentemente “refabricadas” em série pelas lojas de decoração.

Uma outra boa razão para abusar dos clássicos é que, além de ser muito chique, você pode redecorar sua casa mudando a disposição dos móveis, trocando apenas as cores dos tecidos, paredes, etc, sem que seja necessário trocar tudo cada vez que a “moda sai de moda”, porque o vintage é atemporal. Me surpreende que algumas pessoas ainda se desfaçam de peças assim para dar lugar ao mobiliário novo, muitas vezes desconfortáveis e com qualidade muito inferior, somente porque é tendência. E ficam todos com os lares iguais, com cores diferentes.

O estilo vintage também funciona muito bem se misturado ao shabby chic. Materiais antigos como o meio-lambri de madeira nas paredes, tecidos naturais, ladrilhos hidráulicos (minha paixão), peças de decoração românticas, cores neutras, tons pastéis, listrados e florais convivendo em harmonia para alcançar um olhar leve, perfeito para o clima de calor senegalês do Brasil, combina bem não só com as usuais peças de pátina do estilo, mas também com um mobiliário anos 50, por exemplo. Se você resolver fazer uma casa inteirinha vintage, ou inteirinha moderna, corre o risco de cansar também. O ideal é misturar estilos, pegar um pouquinho daqui e dalí e criar o seu próprio estilo.

Agora, deixando de pensar um pouquinho na sua casa e levando o seu olhar para a sua festa de casamento, não seria muito bacana criar um estilo elegante e atemporal, que daqui a vinte anos, quando você estiver revendo seu álbum de casamento com os seus filhos, vai te fazer pensar que parece que foi ontem, ao invés do que acontece agora, quando você revê suas fotos com seu cabelo dos anos 80?

Pense nisso.

2 comentários:

Aline 31 de julho de 2009 11:20  
Este comentário foi removido pelo autor.
Aline 31 de julho de 2009 11:21  

Não é preciso ser um mega entendedor de moda para saber que ela funciona como um pêndulo. O retrô, o vintage é sempre imortal. A moda se revigora, se tranforma, se customiza! Amei o texto! Bjs