Fotógrafos que amamos: Carlos Leandro

>> segunda-feira, 4 de abril de 2011


Vocês lembram que quando escrevi esse post aqui disse que falaria com alguns profissionais sobre fotografia? Então, aproveitando que o mote da semana passada foi fotografia, demorei, mas decidi que era hora de começar! Desde dezembro já tinha conversado com o Carlos Leandro, que abre essa nova tag do blog, fez as fotos maravilhosas do casamento de uma grande amiga, a Jackie, e que também faz parte da família maravilhosa da 3+1 Filmes, que como todo mundo já sabe, esse blog ama de paixão! Mas só agora achei a oportunidade perfeita de mostrar o resultado dessa conversa!
Fiz algumas perguntas para o Carlos, pedi que ele falasse um pouco sobre como vê a fotografia de um modo geral e, mais especificamente, como vê a fotografia de casamento. Como ele gosta dos tratamentos das suas fotos, como faz para unir num mesmo trabalho o estilo dele e o estilo que o cliente quer, etc. Um monte de coisas que sempre tive muita curiosidade de saber, mas nunca tinha tido a oportunidade de perguntar. O post não é apenas para as noivas, mas também para quem simplesmente gosta de fotografia e, assim como eu, morre de curiosidade pra saber como um profissional vê seu próprio trabalho. E o Carlos Leandro foi ótimo, contou tudo!

"Penso muito na fotografia de casamento em etapas para definir um profissional. Acredito que o fotógrafo se apresenta de diversas formas, e em etapas. A primeira, é a impressão que os noivos tem da pessoa que vai fotografar seu casamento. Não tem jeito, empatia com o profissional é fundamental. Já na primeira reunião os noivos saberão quem é o fotógrafo. Acho que essa é a parte fundamental da escolha." (Carlos Leandro)

Qual o seu estilo de fotografia?
Acredito que o meu estilo seja bem definido. Gosto de cores, de contraste, adoro ver o céu azul. Sempre gostei de ver a luz certinha, bem difusa, brilho nos olhos. Penso sempre que estou fazendo um editorial de moda - em 10 minutos, é claro. Acho que aí está o meu maior desafio.
Sou um fotógrafo que participo, falo, brinco, converso com os noivos, pais padrinhos... Enfim, faço novas amizades e me divirto! Acho que isso define bem o meu estilo de trabalho.
O click é um momento de pura atenção, e muitas vezes isso se soma com a sorte para se ter uma excelente foto. Nesse ponto o meu trabalho sempre foi o mesmo, a atenção que dedico todo o tempo às coisas que acontecem a minha volta é total. Sempre trabalhei assim, sempre gostei de flagrantes que divirtam as famílias depois do casamento. Fico imaginando todos, depois da festa, sentados num sofá se divertindo com as fotos.

Adoro céu azul. Quando consigo deixá-lo carregado é melhor ainda. (Carlos Leandro)

Como você aprendeu a fotografar?
Sempre gostei da técnica, sou o cara que lê o manual, o que quer entender da ótica, saber como funciona, sempre! Me pego muitas vezes descobrindo coisas dos equipamentos e querendo usá-los, sem saber onde posso chegar com aquilo. Aprendi a fotografar com o cara mais 'chato' do mundo, o cara que antes de pegar qualquer equipamento lê o manual, testa tudo, faz experiências até ter certeza absoluta que tem todo o domínio do equipamento e sabe para que serve qualquer botão ou tela do menu. Nesse sentido, sou muito fã do Evandro Rocha. Ele coloca todo o conhecimento teórico da fotografia em suas imagens. Acho que me alinho muito na forma que ele faz, por querer sempre imagens perfeitas no sentido técnico, luz certinha, no lugar certo, sem muitas quebras de barreiras, porém, misturando um pouco dos enquadramentos inusitados com o mais clássico.

Não poderia ter feito essa foto da Jackeline entrando na igreja de outra forma. Usei um segundo flash na porta da igreja, pois sabia que para a luz que queria eu precisava daquilo. Pensei de uma forma “clássica”, luz certa, exposição certa, queria a expressão dela ao ver o pai. (Carlos Leandro)

Quem são os profissionais que você mais admira?
Há muitos profissionais que admiro e nos quais me inspiro. Alguns acho absurdamente bem definidos! Gosto muito da luz do Fer Juaristi, uma inspiração muito recente. Acho que ele mostra enquadramentos fantásticos. Parece que toda cena é pensada sem os noivos e ele os encaixa na cena em algum momento. Sempre fui fã, desde o começo, do Klacius Ank, um cara que mostra o quanto poético pode ser um casamento e que abusa e quebra muitos conceitos "quadrados" da fotografia. Esses caras pra mim, entre outros, entendem a alma do fotografado, o espírito de uma festa. Tenho certeza que quando os amigos e famílias sentam para ver o resultado do trabalho, se impressionam. É um olhar muito fora do comum e das expectativas.

Como você define o tratamento das suas fotos?
Além de tentar entender o que os noivos querem e gostam, penso que se eles me escolheram é porque o que tenho feito tem agradado; é porque o que eu faço é o que eles querem. Mas não sou fechado na minha fórmula. Tento conversar, ter contato com os noivos, saber do que gostam, definir "a cara deles". Não costumo fugir muito do que eu gosto, do que acho padrão no meu trabalho, mas abuso, muitas vezes, durante o evento e o tratamento das imagens. As pessoas nas quais me inspiro acabam aparecendo da maneira que enxergo.
Isso é muito importante, sempre falo com os noivos que tudo que eu faço profissionalmente está relacionado a tudo que já vivi anteriormente. Livros que já li, filmes que assisti, e porque não, sites que visitei e gostei? Como se tudo que já passei virasse um filtro para o meu click final.
De todas as fotos que mando,  sempre passo algumas opções diferentes dela. Principalmente nesse momento em que está muito na moda as fotos com pouca saturação, pouco contraste, fotos mais "esverdeadas", tento passar um pouco disso para os noivos no produto final. Não vejo problema em algumas alterações na forma que trato minhas fotos, mas com toda a certeza, a maior parte do produto final é entregue da forma que mais gosto, com bastante contraste.

Essas duas imagens, qual usar no álbum? Não acha que isso depende dos noivos? O click já está feito e a foto é linda independente do tratamento. (Carlos Leandro)

Esse é um bom exemplo da forma que entrego algumas fotos, com os tratamentos que normalmente adoto. (Carlos Leandro)


Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho do Carlos é só entrar no site dele. Tem um mundo inteiro de inspirações por lá!

Fotos: Casamento de Jackeline e Rômulo, por Carlos Leandro

5 comentários:

Jackeline_e_Romulo 4 de abril de 2011 11:24  

Amei a entrevista, com conteúdo, útil. Parece até artigo de revista especializada!
E, claro, amei as fotos.
Sou fã número 1 do Carlos, fiquei muito feliz de ter escolhido ele e agora tenho fotos lindíssimas pra ver o resto da vida, mostrar pro meus filhos. Ele foi nota 10 desde esse primeiro encontro, quando vi que seria ótimo tê-lo no dia do casamento, durante os preparativos, no dia e depois.
Desejo que ele faça muito mais sucesso, pois merece!
bjs,

Ju 4 de abril de 2011 12:08  

As fotos dele são lindas mesmo!!!

Mara 4 de abril de 2011 16:09  

Lindo! Sonho...

Carlos Leandro Ramos 4 de abril de 2011 22:45  

Aí, Aí, o que dizer?? Tô emocionado !!!

Obrigado !

Bjs !

Luciana 5 de abril de 2011 13:28  

Que útil essa nova tag! Acho muito legal o fotógrafo ter um espaço para se apresentar e dizer o tipo de trabalho que ele gosta de fazer, facilita bastante tanto a vida deles quando a nossa. Muito melhor escolher uma pessoa já sabendo o que ela pode fazer, do que tentar convencer o cara a fazer uma coisa que não curte muito apenas pra agradar a gente. Gostei muito e o Carlos está de parabéns também!
Bjks